Acadêmica de Fisioterapia se destaca no Paranaense de Handebol

Acadêmica de Fisioterapia se destaca no Paranaense de Handebol
 
Ela demonstrou charme dentro da quadra. Ela se aplicou, ela correu, técnica e taticamente exerceu sua função com muita qualidade. E no final do jogo, Mariana Brembatti, de 19 anos, saiu da quadra como atleta destaque, na manhã deste domingo, defendendo sua equipe, a FAG/Cascavel, contra o Dois Vizinhos/Handebol. Na vitória cascavelense por 24 a 17, neste domingo, 17, os olhos dos avaliadores apontaram para o lado da atleta, que foi de fundamental importância para a boa participação da sua equipe na segunda etapa do Campeonato Paranaense de Handebol – Chave Ouro 2016, em Campo Mourão. Mariana é acadêmica do curso superior de Fisioterapia na Faculdade Assis Gurgacz, a FAG, em Cascavel, onde cursa o segundo ano (quarto período).
 
Foram dois jogos cascavelenses, iniciando com uma vitória ontem, sábado, contra Ponta Grossa, finalizando com este resultado positivo de hoje. Nascida no dia 2 de setembro de 1996, em Santo Antonio do Sudoeste (Paraná), quando tinha oito anos de idade, Mariana já estava nas quadras, jogando handebol, e de lá pra cá sua carreira decolou, até mesmo com passagem por seleção brasileira de base.
“Comecei a jogar handebol motivada pela minha irmã, Dariéli Brembati. Meu irmão, Angelo Luiz Brembatti, também começou a jogar. Mas não foi questão de DNA não, pois meu pai, João Luiz Brembatti, jogava o futebol, e minha mãe, Maristela Brembatti, também não jogava handebol; assim, posso dizer que foi algo de nós irmãos mesmo. Porém, sempre tive incentivo da minha família, pois meus pais e também meus irmãos sempre que podem, assistem meus jogos, e meu pai já foi também motorista da nossa equipe, quando eu jogava ainda lá na minha cidade, em Santo Antônio do Sudoeste”, destaca a atleta.
 
Antes de vir a Cascavel, onde reside e joga atualmente, ela morou num município vizinho ao seu de naturalidade, ali mesmo no Sudoeste do Paraná, em Capanema, aos 14 anos de idade. E o seu currículo é grande, bem extenso, por sinal. A atleta já disputou Jogos Escolares do Paraná, Jogos da Juventude do Paraná, Jogos Abertos do Paraná, e até mesmo o Campeonato Brasileiro de Seleções, onde foi campeã no ano de 2010, no Rio de Janeiro, além de disputar também os Campeonatos Brasileiros Escolares também em 2009 e 2013. E de quebra, a Mariana também foi convocada para a Seleção Brasileira Juvenil em 2013 e 2014, em fases de treinamento.
 
“Infelizmente não consegui defender a seleção brasileira em competições, mas participar de treinamentos junto à mesma já foi uma grande honra”, ressalta. Sobre o handebol em geral, sua opinião não poderia ser diferente, já que há muitos anos existe esta ligação.
 
“É um esporte que ensina muito, faz muita diferença em minha vida. Me dá oportunidade de conhecimento, conquista de amigos, relacionamento com pessoas novas e também nos proporciona momentos únicos, quando nos encontramos nas disputas, o que também nos dá o direito de conhecer lugares diferentes, culturas, novas pessoas, além de aprender com o esporte como é o mundo de verdade, e o que devemos fazer para sempre seguir o melhor caminho. Todos nós atletas passamos por fases boas ou ruins, mas no meu caso, ou no caso de muitos, que praticam o handebol, é um orgulho dizer que estamos nesta modalidade tão especial. Nós, atletas, temos que sempre manter o foco, para não se lesionar constantemente e prejudicar a carreira, já que é um esporte de muito contato físico. Assim, entendo que o handebol, este nosso esporte tão maravilhoso, deve ser um pouco mais valorizado, pois és tão lindo”, afirma.
 
Já que estamos às portas de mais uma edição dos Jogos Olímpicos, que neste ano serão no Brasil, sediados no Rio de Janeiro, a pergunta sobre o sonho de disputar uma olimpíada não pode faltar, e a resposta também foi bem rápida. “Participar deste grande evento internacional do esporte, o maior de todos, certamente é um sonho de todos os atletas, e já digo que, principalmente o meu”, finaliza Mariana. E assim, com muito empenho não só no esporte, mas também nos estudos, em um curso que tem uma relação muito forte com o meio esportivo, segue a carreira desta brilhante atleta que saiu do sudoeste paranaense para brilhar nas quadras, sempre com muita competência, simpatia, aplicação, determinação e uma beleza ímpar, em todos os sentidos, já que a beleza, interior ou exterior, também são importantes para o esporte, evidentemente. O Campeonato Paranaense de Handebol Adulto – Chave Ouro 2016, é uma promoção de Liga de Handebol do Paraná (LHPR) – Paraná Handebol.
 
 
Assessoria de Comunicação LHPR
Diego Reis Comunicação
e-mail: diegoreis.pereira@gmail.com
Fones: (44) 9907-5405 (TIM)Acadêmica de Fisioterapia se destaca no Paranaense de Handebol
 
 
 
Ela demonstrou charme dentro da quadra. Ela se aplicou, ela correu, técnica e taticamente exerceu sua função com muita qualidade. E no final do jogo, Mariana Brembatti, de 19 anos, saiu da quadra como atleta destaque, na manhã deste domingo, defendendo sua equipe, a FAG/Cascavel, contra o Dois Vizinhos/Handebol. Na vitória cascavelense por 24 a 17, neste domingo, 17, os olhos dos avaliadores apontaram para o lado da atleta, que foi de fundamental importância para a boa participação da sua equipe na segunda etapa do Campeonato Paranaense de Handebol – Chave Ouro 2016, em Campo Mourão. Mariana é acadêmica do curso superior de Fisioterapia na Faculdade Assis Gurgacz, a FAG, em Cascavel, onde cursa o segundo ano (quarto período).
 
Foram dois jogos cascavelenses, iniciando com uma vitória ontem, sábado, contra Ponta Grossa, finalizando com este resultado positivo de hoje. Nascida no dia 2 de setembro de 1996, em Santo Antonio do Sudoeste (Paraná), quando tinha oito anos de idade, Mariana já estava nas quadras, jogando handebol, e de lá pra cá sua carreira decolou, até mesmo com passagem por seleção brasileira de base.
 
“Comecei a jogar handebol motivada pela minha irmã, Dariéli Brembati. Meu irmão, Angelo Luiz Brembatti, também começou a jogar. Mas não foi questão de DNA não, pois meu pai, João Luiz Brembatti, jogava o futebol, e minha mãe, Maristela Brembatti, também não jogava handebol; assim, posso dizer que foi algo de nós irmãos mesmo. Porém, sempre tive incentivo da minha família, pois meus pais e também meus irmãos sempre que podem, assistem meus jogos, e meu pai já foi também motorista da nossa equipe, quando eu jogava ainda lá na minha cidade, em Santo Antônio do Sudoeste”, destaca a atleta.
 
Antes de vir a Cascavel, onde reside e joga atualmente, ela morou num município vizinho ao seu de naturalidade, ali mesmo no Sudoeste do Paraná, em Capanema, aos 14 anos de idade. E o seu currículo é grande, bem extenso, por sinal. A atleta já disputou Jogos Escolares do Paraná, Jogos da Juventude do Paraná, Jogos Abertos do Paraná, e até mesmo o Campeonato Brasileiro de Seleções, onde foi campeã no ano de 2010, no Rio de Janeiro, além de disputar também os Campeonatos Brasileiros Escolares também em 2009 e 2013. E de quebra, a Mariana também foi convocada para a Seleção Brasileira Juvenil em 2013 e 2014, em fases de treinamento.
 
“Infelizmente não consegui defender a seleção brasileira em competições, mas participar de treinamentos junto à mesma já foi uma grande honra”, ressalta. Sobre o handebol em geral, sua opinião não poderia ser diferente, já que há muitos anos existe esta ligação.
 
“É um esporte que ensina muito, faz muita diferença em minha vida. Me dá oportunidade de conhecimento, conquista de amigos, relacionamento com pessoas novas e também nos proporciona momentos únicos, quando nos encontramos nas disputas, o que também nos dá o direito de conhecer lugares diferentes, culturas, novas pessoas, além de aprender com o esporte como é o mundo de verdade, e o que devemos fazer para sempre seguir o melhor caminho. Todos nós atletas passamos por fases boas ou ruins, mas no meu caso, ou no caso de muitos, que praticam o handebol, é um orgulho dizer que estamos nesta modalidade tão especial. Nós, atletas, temos que sempre manter o foco, para não se lesionar constantemente e prejudicar a carreira, já que é um esporte de muito contato físico. Assim, entendo que o handebol, este nosso esporte tão maravilhoso, deve ser um pouco mais valorizado, pois és tão lindo”, afirma.
 
Já que estamos às portas de mais uma edição dos Jogos Olímpicos, que neste ano serão no Brasil, sediados no Rio de Janeiro, a pergunta sobre o sonho de disputar uma olimpíada não pode faltar, e a resposta também foi bem rápida. “Participar deste grande evento internacional do esporte, o maior de todos, certamente é um sonho de todos os atletas, e já digo que, principalmente o meu”, finaliza Mariana. E assim, com muito empenho não só no esporte, mas também nos estudos, em um curso que tem uma relação muito forte com o meio esportivo, segue a carreira desta brilhante atleta que saiu do sudoeste paranaense para brilhar nas quadras, sempre com muita competência, simpatia, aplicação, determinação e uma beleza ímpar, em todos os sentidos, já que a beleza, interior ou exterior, também são importantes para o esporte, evidentemente. O Campeonato Paranaense de Handebol Adulto – Chave Ouro 2016, é uma promoção de Liga de Handebol do Paraná (LHPR) – Paraná Handebol.
 
 
Assessoria de Comunicação LHPR
Diego Reis Comunicação
e-mail: diegoreis.pereira@gmail.com
Fones: (44) 9907-5405 (TIM)