Brasil tem a missão de bater a França dentro de casa na estreia do Mundial Masculino

Brasil tem a missão de bater a França dentro de casa na estreia do Mundial Masculino

Time repleto de estrelas dos atuais campeões não assusta brasileiros, que acreditam na evolução demonstrada nas últimas competições

João Oedro, central

Paris (FRA) - A partir desta quarta-feira (11), a Seleção Masculina de Handebol tem a chance de fazer história mais uma vez. A equipe, que tem mostrado uma constante evolução nos últimos anos, inicia a disputa do Campeonato Mundial de 2017 e faz a estreia em grande estilo, diante da anfitriã França, em Paris. A partida, marcada para as 17h45 (horário de Brasília), na Accorhotels Arena, pode ser o começo de um belo caminho para o time verde e amarelo, que pretende quebrar a barreira das oitavas de final, atingidas nas duas últimas edições (Espanha-2013 e Qatar-2015). 

 
A melhor posição do Brasil em campeonatos mundiais da categoria foi o 13° lugar na Espanha, mas, de lá para cá, o grupo formado por atletas jovens e de muito potencial tem chamado atenção. A maioria dos jogadores atua em clubes europeus e tem ganhado a experiência necessária para enfrentar as grandes potências da modalidade. 
 
Os atuais campeões do Pan-Americano de Handebol (Buenos Aires-2016) e dos Jogos Pan-Americanos (Toronto-2015) fizeram bonito não só nos campeonatos continentais, mas também nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, no ano passado. A equipe se classificou pela primeira vez para as quartas de final da competição, com vitórias sobre equipes como Alemanha e Polônia, candidatas ao título até então. Nas eliminatórias, foram superados justamente pelos franceses, após um jogo equilibrado, que levantou a torcida e mostrou a força do handebol brasileiro. 
 
Por todos esses fatores, as expectativas para o Mundial da França são as melhores possíveis. "Para nós, o que aconteceu na fase de treinamentos que fizemos na Suíça na última semana foi muito legal. Os treinos foram intensos e o torneio que disputamos lá foi importante. Pudemos olhar, de uma maneira geral, coisas que os nossos adversários fazem. Por isso, foi um teste super válido para vermos como vamos atuar, ações que podemos fazer", disse o técnico Washington Nunes. 
 
O treinador admite que a equipe não vê a hora de entrar em quadra e trabalhar duro para conseguir um excelente resultado no Mundial. "Estamos com muita vontade de iniciar o torneio. Acho que estamos bem preparados e focados. Mesmo com a substituição de alguns jogadores por outros mais jovens, o grupo está totalmente integrado. Essa equipe está madura, muito embora esses meninos novos estejam no início do processo, mas temos uma grande base que passou pelo ciclo olímpico e pelas Olimpíadas. Viver o que eles viveram no Rio de jogar em um ginásio com muita gente e com adversários de grande porte, ter vitórias sobre alguns europeus, deu uma maturidade grande. Eles sabem bem controlar isso, mas temos que buscar o máximo de cada um. Que cada dia mais eles possam buscar 100%. Acho que é um grupo com vontade de continuar fazendo história." 
 
O central João Pedro da Silva é o único brasileiro que joga na França, no clube Chambery Savoie Handball, e está bastante acostumado com a atmosfera da torcida local, que deve lotar o ginásio amanhã para a estreia. "Para mim é uma honra jogar um Mundial desse tamanho, ainda mais aqui na França contra os franceses. Todos vão estar de olho nessa estreia com grandes jogadores. A torcida aqui vive o clima do handebol. Todo mundo espera um grande campeonato para a França. Sabemos que será um primeiro jogo difícil, mas queremos vencer. Vamos com toda a força", comentou. 
 
O goleiro Maik Santos acredita em um bom desempenho do Brasil no campeonato e, para isso, ele diz que é importante ter uma boa estreia. "Sabemos que será um jogo difícil e precisamos ter equilíbrio nas ações para chegar no fim da partida com possibilidade de vitória. A pressão é deles é nós estamos tentando buscar o nosso espaço." 
 
Maik destaca ainda que os brasileiros têm feito a lição de casa, estudando as ações dos adversários para tentar neutralizar o máximo possível a equipe francesa. "O ponto de destaque deles é o central Nikola Karabatic e a circulação do ponta. É uma equipe completa. Vamos tentar equilibrar a defesa para termos alguns êxitos defensivamente e ter mais tempo de ataque. Não podemos nos precipitar para não tomarmos o contra-ataque, que é uma arma muito forte deles. É o desejo de todo atleta um jogo como esse, contra a França que é uma das melhores do Mundo e com casa cheia. É um sonho jogar contra eles, na casa deles. Entraremos em quadra para dar nosso melhor em busca de uma vitória."
 
Depois do jogo de abertura em Paris, os brasileiros fazem as outras partidas da chave A em Nantes. O grupo é considerado um dos mais complicados. No sábado (14), o Brasil enfrenta a Polônia, às 11h45, no domingo (15), o Japão, às 17h45, na terça-feira (17), será a vez da Noruega, às 11h, e na quarta-feira (18), os adversários serão os russos, no mesmo horário. O Mundial terá transmissão dos canais SporTV e ESPN. 
 
Jogos do Brasil 
Horário de Brasília
 
Quarta-feira (11)
17h45 - França x Brasil
 
Sábado (14)
11h45 - Brasil x Polônia 
 
Domingo (15)
17h45 - Brasil x Japão 
 
Terça-feira (17)
11h - Noruega x Brasil 
 
Quinta-feira (19)
11h - Rússia x Brasil 
 
Seleção Brasileira
 
Goleiros - César Augusto de Almeida 'Bombom' (OIF Arendal-Noruega) e Maik Santos (AL-Rayyan-Qatar).
 
Armadores - Gabriel Ceretta Jung (FC Barcelona-Espanha), Haniel Lângaro (BM Naturhouse La Rioja-Espanha), José Guilherme de Toledo (Orlen Wisla Plock-Hungria), Oswaldo Maestro Guimarães (Anaitasuna-Espanha), Thiago Alves Ponciano (BM Ciudad Encantada-Espanha) e Thiagus Petrus Gonçalves dos Santos (Mol-Pick Szeged-Hungria). 
 
Centrais - Henrique Teixeira (CB Huesca-Espanha) e João Pedro Francisco da Silva (Chambery Savoie Handball-França).
 
Pontas - Claryston David Cordeiro Novais (ADJF/Independência Trade-MG), Fábio Chiuffa (KIF Kolding Kobenhav-Dinamarca), Guilherme Torriani (Vegus/Guarulhos-SP) e Lucas Cândido (BM Guadalajara-Espanha).
 
Pivôs - Alexandro Pozzer (Fertiberia Puerto Sagunto-Espanha) e Rogério Moraes (WC Vardar-Macedônia).
 
Comissão técnica 
 
Técnico: Washington Nunes
Assistente técnico: Hélio Lisboa Justino
Treinador de goleiros: Diogo Castro
Preparador físico: Fernando Millaré
Fisioterapeuta: Gustavo Barbosa
Supervisor: Cássio Marques