CBHb muda estatuto e implanta Governança corporativa, limitação de mandato e ampliação do colégio eleitoral

CBHb muda estatuto e implanta Governança corporativa, limitação de mandato e ampliação do colégio eleitoral

Aracaju (SE) - A Confederação Brasileira de Handebol (CBHb) reformula o seu estatuto em Assembleia Geral Extraordinária realizada neste sábado (2), em Aracaju (SE). As alterações mais importantes foram implementação de governança corporativa, limitação de mandato e ampliação do colégio eleitoral, temas que foram amplamente discutidos e aprovados pelos presidentes das Federações Estaduais. A entidade é uma das primeiras a se adequar às tendências administrativas modernas e aos anseios da sociedade, o que comprova a preocupação com a modernização e transparência de suas ações.

Manoel Luiz Oliveira, que acaba de ser reeleito na presidência da CBHb, promoveu um grande debate e propôs mudanças inovadoras e corajosas, que foram acatadas em Assembleia, o que gerou reformulações significativas no estatuto. Para ele, este é um momento muito importante para o handebol brasileiro. Nós entendemos que a CBHb teria que implementar conceitos e atitudes que visam o maior aperfeiçoamento da administração. São alterações que permitem que suas principais decisões sejam de forma colegiada. Todas essas mudanças internas estão relacionadas ao que estamos buscando dentro e fora de quadra, que é o aperfeiçoamento e desenvolvimento contínuo. Essa modernização do estatuto nos deixa em uma posição de vanguarda, afirmou.

Este novo estatuto conta com alterações importantes. Uma delas é a limitação do mandato do presidente, que será limitado a duas reeleições, totalizando três mandatos seguidos de quatro anos. Esse número é importante para que o presidente possa desenvolver um trabalho planejado e apresente um resultado em âmbito nacional e internacional. Um dos pontos mais importantes é a modificação da escolha do conselho fiscal, que contará com a eleição independente da chapa da presidência, o que leva a uma plena autonomia e independência das decisões do conselho fiscal.

Outra alteração foi a ampliação do colégio eleitoral. Atualmente, apenas as 27 Federações Estaduais tinham direito a voto nas Assembleias Eletivas. Esse número será aumentado para 30, já que serão formadas comissões de atletas, árbitros e clubes, que terão direito a um voto cada. Além disso, poderão assessorar a presidência da CBHb nos assuntos de interesse de cada segmento, quando solicitadas. A ideia é que o representante de cada categoria seja um ex-atleta, um ex-árbitro e um clube representativo no cenário nacional, que serão eleitos pela comissão. Haverá uma regulamentação para cada uma delas.

Com o intuito de maior democratização, o novo estatuto contempla também a criação de conselho de administração e consultivo. O conselho de administração ficará responsável pelo planejamento estratégico da CBHb, dando total suporte ao presidente. Este grupo será composto por representantes escolhidos durante a Assembleia Geral. Já o conselho consultivo, que será formado por presidentes de Federações Estaduais, irá se reunir periodicamente para avaliar e discutir sobre as atividades da entidade.

Segundo Guilherme Ângelo Raso, 1º vice presidente, todos estão de acordo para o avanço do handebol. Esse novo modelo de governança vem modernizar a entidade. No caso específico dos conselhos, eles criarão estratégias para a gestão e darão suporte para o aprimoramento da modalidade, destacou.

Outra novidade será a mudança de sede da CBHb, que deverá ser em São Bernardo do Campo (SP), cidade do Centro Nacional de Desenvolvimento, previsto para ser inaugurado em agosto de 2013. A sede atual é em Aracaju (SE). Todos os trabalhos foram coordenados pelo assessor jurídico da CBHb, dr. Paulo Schmidt, especialista em direito desportivo.

Para Antônio Carlos Falcão, presidente da Federação Brasiliense de Handebol, as alterações irão melhorar o trabalho das Federações Estaduais. Com essa transparência, a modalidade tende a crescer, o que vai aumentar o número de parcerias e todos tendem a ganhar com isso. Esse é um avanço muito importante para o handebol brasileiro, ressaltou.