Londrinense na seleção de handebol

Londrinense na seleção de handebol

Pedro Martins faz parte da equipe que se prepara para a disputa do Campeonato Pan-Americano Juvenil

Ricardo Chicarelli
Pedro Martins participa da última fase de treinos antes da convocação final
O pivô Pedro Henrique Martins, do time de handebol masculino de Londrina, está muito perto de realizar o primeiro grande objetivo de sua carreira. Convocado pelo técnico Ivan Maziero, para um período de treinos em Blumenau (SC), o jovem jogador vive a expectativa de ser chamado para disputar sua primeira competição oficial pela seleção brasileira juvenil: o Pan-Americano da Venezuela, que será disputado entre os dias 14 e 18 deste mês. O torneio é classificatório para o Mundial, em agosto, na Hungria. 

A lista, com 17 nomes, foi anunciada semana passada pelo treinador da seleção nacional. O grupo, que se apresentou no último domingo, tem até o próximo dia 12 para mostrar serviço. Até a convocação final, que será realizada no início da semana que vem, um jogador será cortado. 

Ciente disso, o londrinense sabe bem o que fazer para conquistar a confiança do técnico do selecionado canarinho. "Agora é treinar e me empenhar ao máximo. Já fui (convocado) uma vez, sei como ele trabalha e o segredo é trabalhar duro", decretou o pivô, que já havia sido chamado para um período de treinos no início do ano, também em Santa Catarina. 

O grandalhão de 1,91 metros ainda leva uma vantagem em relação aos rivais por um lugar na lista final. Ao contrário das outras posições, o técnico Ivan Maziero convocou apenas dois pivôs – ele e o catarinense Rodrigo Luiz Joench -, o que praticamente indica que a dupla será escolhida para jogar o torneio internacional. "A chance de ir é muito grande. Geralmente vão dois e a lista só tem nós dois, mas também não é garantia. Não posso acomodar", afirmou o jogador, que começou a treinar aos 10 anos. 

Formado nas categorias de base do time pé-vermelho, Pedro Henrique Martins foi um dos vários jovens promovidos ao time adulto após a forçada reformulação no elenco por falta de dinheiro. E aos 18 anos é a uma das apostas do técnico Giancarlos Ramirez para o futuro. "Ele é muito novo ainda, tem bom biotipo, qualidade técnica, boa leitura defensiva. É um jovem de futuro, mas a diferença entre um jogador comum e um de seleção é a dedicação. Se ele quiser pode ir longe", elogiou o técnico.
 
Rafael Souza
Reportagem Local