Maringá mira topo no handebol estadual

Maringá mira topo no handebol estadual

 

Arquivo FOLHA
Léo voltou a Maringá após jogar os últimos nove anos em Londrina
De volta ao cenário nacional do handebol masculino após três anos, o tradicional time da Unimed/Maringá treina há quase dois meses com um objetivo fixo: tornar-se a maior força do Estado e conseguir um lugar entre os quatros primeiros colocados da Liga Nacional, principal competição do país, que deve começar em julho. 

"Nosso objetivo é ganhar os Jogos Abertos, o Paranaense e classificar entre as quatro melhores na Liga Nacional", determinou o técnico da equipe, Valmir Fassina, que trabalha com handebol em Maringá desde 2001 e era o técnico do time na última participação na Liga Nacional, em 2010. 

E neste retorno, o time aposta numa fórmula bastante conhecida no meio esportivo: a mescla de jovens talentos com alguns "medalhões". Preocupado em dar uma boa referência aos atletas formados na cidade, Fassina foi buscar jogadores "rodados". "Temos desde meninos com idade juvenil até jogadores consagrados, como o Léo e o Gil", aponta o treinador. 

O principal reforço é um jogador bem conhecido na cidade. É o armador central Léo, que é formado em Maringá, mas atuou os últimos nove anos com a camisa do Londrina. Ele volta à cidade onde começou a carreira após 13 anos, para ser o capitão e grande referência da equipe em quadra. "É um projeto bom e nossa meta neste primeiro ano é reestruturar para fortalecer e ter condições de no ano que vem brigar quem sabe mais em cima, por títulos. Neste ano, ainda estaremos um pouco abaixo das grandes equipes, mas vamos brigar para estar entre os quatro", afirma o jogador. 

Além do ex-capitão da seleção brasileira, chegou também o ponta Gil, outro com boa passagem pela equipe nacional. "Não conseguimos trazer todos que queríamos, mas o time é forte e vai brigar", garante Fassina. O goleiro João, o armador-esquerdo Allan e o ponta-esquerda Thiago, todos ex-Londrina, também se transferiram para a nova equipe. 

A volta do capitão
Diante da indefinição que se criou em Londrina em torno da manutenção da equipe local, Léo não teve dúvidas. Era hora de voltar para casa. "Vários fatores acabaram contribuindo, mas o fato de ter aqui um projeto de já iniciar a carreira como treinador e também a possibilidade de voltar para casa foram determinantes", destaca o central. "Aqui, já estou dando treinos para o time infantil e dando início a essa nova fase", emendou. 

Natural de Maringá, Léo começou a jogar handebol em 1989. Profissionalizou-se em 2000 e partiu para sua primeira experiência fora do Estado, no extinto Vasco da Gama (RJ). Ficou ainda dois anos no Pinheiros (SP) e em 2004 desembarcou em Londrina, onde jogou até o final do ano passado. Aos 37 anos e depois de cirurgias nos dois joelhos, ele vê próximo o momento da despedida. "Vou jogar mais este ano, talvez ano que vem e depois parar e virar treinador".
 
Rafael Souza
Reportagem Local